De onde vem o mau-hálito?

Você sabia que 90% dos casos de mau-hálito tem origem bucal?

Pois é!!

O mau-hálito está relacionado em sua maioria por compostos de sulforatos voláteis, produzidos a base de enxofre por algumas bactérias encontradas na cavidade oral.

Elas conseguem metabolizar a matéria orgânica que fica acumulada na boca e que produzem esses compostos responsáveis pelo mau cheiro.

alito_cattivoEntre as doenças que promovem o aumento das bactérias causadoras do mau hálito, destaca-se a gengivite como sendo uma das mais frequentes. Também conhecida como doença periodontal, ela causa a inflamação da gengiva pelo acúmulo de placa bacteriana e restos de comida.

Fonte: IG

Por quê os humanos se beijam?

Você já parou para pensar na pergunta acima? Existe todo um grupo de pessoas que se dedica somente à ela. Trata-se dos pesquisadores da filematologia, ciência dedicada ao estudo do beijo.

A verdade é que existe muito mais em um beijo do que o desejo ou a paixão. Quando duas pessoas se beijam, elas trocam entre si nove mililitros de água; 0,7 miligrama de proteínas; 0,18 miligramas de compostos orgânicos; 0,71 miligramas de gorduras, 0,45 miligramas de cloreto de sódio; isso sem contar as bactérias, que podem chegar a até um bilhão.

Female mouth puckering

Female mouth puckering

Em um estudo publicado em 2015 no periódico American Anthropologist, 54% das 168 culturas analisadas não possuiam evidências de beijos românticos. “Acreditamos que o etnocentrismo ocidental, a crença que um de nossos comportamentos prazerosos seria humano, pode ter criado essa ideia de que o beijo é universal”, escreveram os cientistas. Nesse caso, o beijo romântico seria um hábito desenvolvido culturalmente.

Mas o motivo pelo qual os humanos beijam – desconsiderando o elemento romântico da equação – ainda é um mistério para os cientistas. Alguns pesquisadores acreditam que as pessoas trocam beijos por uma combinação de atração psicológica e biológica. “Você não pode ter psicologia sem um cérebro biológico”, explica.

Um estudo conduzido por Wlodarski na Universidade de Oxford, na Inglaterra, mostra que as pessoas que beijam com maior frequência são mais felizes e satisfeitas com seus relacionamento. No momento ele tem como objetivo descobrir o motivo de os beijos fazerem com que casais se sintam mais próximos.

Fonte: Revista Galileu

Chá pode ser solução contra mau hálito e cáries

Um estudo indicou que substâncias presentes no chá destroem vírus e bactérias que causam infecções na garganta e problemas dentários como as cáries. O chá verde é o que tem o melhor desempenho no combate aos microrganismos nocivos à higiene bucal, assim como o chá preto, devido à cafeína.

HalitosisA ação contra o mau hálito do chá se deve à presença na bebida de elementos conhecidos como polifenóis, que reduzem o ritmo de desenvolvimento das bactérias responsáveis pelo mau hálito. As pesquisas foram concluídas há dez anos, e até hoje especialistas acreditam na ação do chá para prevenir o mau hálito. “Como o mau hálito é fisiológico, toda a população precisa prevenir a halitose, e o chá verde é uma bebida popular com ação antibacteriana, antioxidante, anticarcinogênica e removedora de odor”, diz Marcos Moura, presidente da Associação Brasileira de Halitose – ABHA.

Um ponto importante é que a ingestão da bebida não tem restrição de quantidade, uma vez que, quanto mais ingestão de líquidos, mais salivação e menos halitose. Por isso que o consumo de água e frutas que aumentem o fluxo salivar – as mais ácidas – é recomendado. Como existem mais de 60 causas da halitose, precisamos primeiro diagnosticá-las e tratá-las, e isso só quem faz é o dentista especializado no tratamento de halitose.

Fonte: Terra Saúde Bucal

Dia dos Namorados – Cuide da sua boca

Com a chegada do Dia dos Namorados, comemorado em 12 de junho, o melhor é presentear o (a) companheiro (a) com um sorriso saudável e um hálito fresco. Para isso, a Associação Brasileira de Odontologia (ABO) elenca cinco mandamentos essenciais para um amor saudável, que podem manter a relação cada vez mais duradoura e cheia de saúde

1 – Mantenha um sorriso perfeito

Nada melhor do que um hálito puro e um sorriso saudável. No Dia dos Namorados, então, é um motivo a mais para beijar. Para isso, é preciso manter uma higiene bucal adequada, com dentes limpos e livres de resíduos alimentares, gengiva que não sangra e nem dói durante a escovação e longe do mau hálito. O cirurgião-dentista pode ensinar as técnicas corretas de higiene bucal e indicar as áreas que exigem atenção extra durante a escovação e o fio dental.

Um sorriso saudável não só garante uma boa aparência, mas também a correta mastigação dos alimentos. O acompanhamento de um cirurgião-dentista é importantíssimo para uma boa higiene bucal. “O profissional de Odontologia indicará como escovar os dentes corretamente e como usar o fio dental. Ele poderá também indicar qual a melhor escova dental. Esse acompanhamento é fundamental para que o paciente tenha um sorriso saudável para a vida toda, refletindo na sua saúde integral. Manter uma boca saudável é importante para o bem-estar do paciente. Os cuidados diários preventivos ajudam a evitar que os problemas dentários se tornem mais graves”, explica Mauro Piragibe, consultor científico da Associação Brasileira de Odontologia (ABO). A boa higiene bucal inclui escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia após as refeições; usar o fio dental; e ingerir alimentos balanceados e saudáveis.

2 – Com mau hálito não dá!

Não adianta usar uma roupa bacana no Dia dos Namorados, se não cuidou da higiene bucal. O mau hálito é conhecido cientificamente como halitose. Mais comum do que se imagina, pode ter consequências ruins para a sua vida amorosa. Para evitá-lo, alguns cuidados podem ser tomados. O primeiro passo é manter uma higiene diária da boca com escovação e uso de fio dental. É importante também visitar regularmente o consultório odontológico para que o profissional garanta que a limpeza dos dentes esteja sempre perfeita, evitando assim a formação de placas bacterianas que aumentam o mau hálito.

Outra dica importante é determinar se o seu hálito é fresco. A maioria das pessoas não tem consciência disso, porque o cérebro se torna aclimatado ao cheiro pessoal. A melhor maneira de autodiagnóstico é observar a sua língua. Segundo os cirurgiões-dentistas, uma língua rosa e brilhante indica um hálito fresco. Uma língua branca e de aparência escamosa pode indicar mau hálito. Lamba as costas da mão, deixe secar por alguns segundos, e depois sinta o cheiro da superfície. Assim é possível avaliar como está o cheiro. A respiração é também um fator essencial à saúde bucal, por isso observe se você está respirando pelo nariz. A ausência desse tipo de respiração pode sinalizar um problema de sinusite, desvio de septos, adenoides e rinite, caminhos para o bafo de onça.

3 – Dentes mais claros só no consultório odontológico

Nada como retribuir os carinhos do (a) namorado (a) com um belo sorriso. Com os dentes claros é melhor ainda. Para isso, muitas pessoas têm recorrido aos clareadores dentais vendidos diretamente ao consumidor. Pode ser uma esperança de ter dentes mais claros, mas também pode causar sérios danos à saúde do paciente. É importante lembrar que o uso desses produtos deve ser recomendado pelo cirurgião-dentista e contar com o seu acompanhamento. “Para a ABO, a participação do cirurgião-dentista na supervisão do clareamento, independente do método, é muito importante, visto que as necessidades e características de cada indivíduo exigem diferentes condutas de tratamentos que só o profissional está apto a executar”, explica Mauro Piragibe, consultor científico da ABO.

Para uso de produtos, como cremes dentais e enxaguatórios, que prometem clareamento, o consultor conta que os resultados são mínimos. “Na minha opinião, baseada em testes com alguns destes produtos, é a de que os resultados vão de imperceptíveis a mínimos e devem ser vistos como coadjuvantes na manutenção do efeito clareador conseguido com as técnicas pelo profissional de Odontologia, e não propriamente como clareadores genuínos. As pastas dentais removem somente manchas superficiais”, alerta. As tiras apresentam resultados melhores, já que permanecem mais tempo em contato com os dentes e apresentam maior concentração de agente clareador. “A desvantagem está no comprimento das tiras, restritas muitas vezes aos dentes anteriores e à falta de supervisão de um profissional, que seria imprescindível quanto ao momento correto de parar o tratamento”, diz Piragibe.

4 – Beijo: troca de afeto, bactérias e vírus

Cerca de dois bilhões de bactérias habitam uma única gota de saliva. Além delas, um vírus, o Epstein-Barr, que causa a mononucleose infecciosa, precisa apenas do contato direto da mucosa com a saliva contaminada para ser transmitido – nada que um bom “beijo de língua” não resolva. “Não é à toa que a mononucleose infecciosa é conhecida como a doença do beijo”, lembra a estomatologista Maria Carméli Sampaio, consultora da ABO.

A doença do beijo é caracterizada por mal-estar, febre, dor de cabeça e de garganta, aumento de gânglios, ínguas no pescoço e inflamação leve e transitória do fígado (hepatite). Para evitar todos esses problemas, Carméli sugere uma vida sem excessos. “Como se trata de um vírus, é importante que o indivíduo não tenha baixa resistência imunológica, alimente-se e durma bem, consuma complementos vitamínicos e outros”, destaca a estomatologista. Segundo a especialista, o mesmo vale para outras doenças que podem ser transmitidas pelo beijo, como tuberculose, hepatite e sífilis. “Uma higienização oral frequente ajuda a evitar outros problemas, como a transmissão de cárie, que também se aproveita da troca de salivas”, completa.

5 – Cuidado com o HPV e outras doenças

Se o beijo pode ser uma via de transmissão de doenças, o sexo oral, por envolver contatos mais íntimos entre os organismos envolvidos, é uma via expressa. O cirurgião-dentista é capacitado para diagnosticar Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) na cavidade bucal, prestando os primeiros esclarecimentos e encaminhando o paciente ao tratamento adequado.

Segundo Maria Carméli Sampaio, uma das DSTs de maior incidência é o condiloma acuminado, conhecido como crista de galo, lesão na esfera genital causada pelo Papilomavirus Humano (HPV). “É importante que o sexo oral também seja praticado com camisinha, porque os riscos de contágio dessa doença são grandes”, aconselha a especialista.

Outras doenças que podem ser mais facilmente transmitidas por via oral são a gonorreia, caracterizada por vermelhão, ardência e prurido na mucosa, e a sífilis, ferida indolor no lábio ou língua. Além dos cuidados antes – selecionando bem o parceiro – e durante – usando preservativo –, é importante não descuidar depois. A visita regular ao cirurgião-dentista pode ser decisiva por facilitar o diagnóstico precoce de diversas doenças relacionadas à cavidade bucal.

Dicas da Associação Brasileira de Odontologia – ABO Nacional
Fonte: Edita comunicação

Luz deve substituir antibióticos

A terapia a base de luz é capaz de substituir medicamentos usados contra fungos e bactérias. E esta tecnologia deve chegar aos consultórios odontológicos ainda este ano.

Pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos, em parceria com a UNESP, desenvolveram esta técnica que usa LEDs (Diodo Emissor de Luz) e ainda tem a vantagem de evitar a resistência que os antibióticos causam quando de seu uso contínuo.

Batizaram de Terapia Fotodinâmica e o já é aplicado no tratamento de câncer de pele e de Leishmaniose. Para a odontologia ainda é uma novidade, porém uma novidade promissora. Os protocolos de utilização já estão prontos e por isso já podem ser aplicados dentro das clínicas odontológicas. E por que da demora? Ah sim, a patente ainda não saiu.

Terá indicação para inflamações gengivais (as gengivites), periodontites (que tem um acúmulo grande de bactérias), candidíase (fungos) entre outras. A técnica é simples de ser aplicada. É só utilizar uma substância fotosensível na região que deverá receber o tratamento e depois iluminamos o local com estes LEDs na intensidade necessária para criar uma reação fototóxica. A substância colocada, reage com o oxigênio da boca ou do micro-organismo acabando com o problema.

Fonte: Veja Online

Germes: A verdade suja

Todos nós temos sido advertidos sobre eles, mas quantos de nós realmente fazemos um esforço para nos proteger de germes? Não quero parecer superprotetor, mas em toda a realidade, os germes podem ser muito prejudiciais!

Listados abaixo as várias formas interessantes para evitar os germes.

1. Toalhas de banho: Especialistas mostram que o compartilhamento de toalhas de banho é como as infecções são disseminadas (por estafilococos). Mesmo sua própria família pode espalhar germes para você. Uma idéia para manter sua família livre de compartilhar toalhas é código de cores! Dar a todos em sua família uma cor pra cada um.

2. Teclado de computador: Teclados foram encontrados para abrigar germes 60 vezes mais do que um assento de vaso sanitário! Que é cerca de 150 vezes acima do limite recomendável de níveis de germe. A fim de manter o seu teclado livro o quanto possível dos germes, tente lavar as mãos antes e depois de usar seu computador, e manter alguns wipes (lenços) à base de álcool perto de sua mesa.

3. Máquina de Lavar Roupa: Embora seu objetivo principal seja limpar suas roupas, eles realmente têm bastante germes. Isto é principalmente porque a lavagem de roupa em água fria por parte do ciclo. A água fria não remove todos os germes. Para ajudar a matar as bactérias em sua roupa, tente lavar algumas cargas em água quente. A água quente vai realmente “zap” os germes, deixando suas roupas frescas e completamente limpas!

4. Telefone celular: Quantos de nós realmente lavam as mãos antes e depois que usamos nossos celulares? Se estamos sendo honestos, poucos de nós fazemos isto, não é mesmo?! Por isso, tudo o que entramos em contato durante o dia, também entram em contato com nosso telefone. Estudos mostram que os telefones celulares carregam as bactérias dos alimentos, maçanetas e até mesmo animais de estimação! Uma maneira de diminuir a quantidade de bactérias em seu telefone celular é lavar as mãos várias vezes durante o dia. Tente usar sabão com água quente, e limpar toda a superfície do celular com álcool absoluto (não é aquele que vende em supermercado).

5. Escova de dentes: A maioria das pessoas mantém suas escovas de dente em um copo ao lado da pia para fácil acesso. No entanto, estudos têm mostrado que a distância da sua escova de dentes é de pelo menos seis dois metros do vaso sanitário. Menos que isso pode espalhar germes sobre sua escova de dentes. Você quer escovar os dentes com uma escova de dentes cheia daqueles germes? (coliformes fecais) É recomendado que você mude sua escova de dentes depois que você está doente, quando as cerdas começam a dobrar e quando mostram desgaste, ou depois de 3 meses.

6. Controle Remoto: Seu controle remoto é considerado um dos mais infestados de germes. Quantas vezes você já mudou os canais enquanto come? Que é apenas um exemplo das origens muitos diferentes de bactérias do controle remoto. Uma maneira simples para matar os germes em seu controle remoto é usando álcool absoluto (ispropílico) pelo menos uma vez por semana.

Reduzir Germes Sem Ser Paranoico

Ao lidar com germes, é muito fácil entrar em um frenesi de limpeza. No entanto, há coisas simples que você pode fazer para diminuir substancialmente a quantidade de germes que está exposto em sua casa.

Lave as mãos várias vezes ao dia. Usando água quente e sabão, e lavar durante pelo menos 20 segundos, pode ajudá-lo a se livrar da maioria dos germes das suas mãos que adquire ao longo do dia.
Limpe sua casa frequentemente. Aspirar os germes e bactérias é útil, mas só quando você muda o saco ou esvaziar o recipiente de forma consistente. Sem esvaziar o recipiente, os germes que seu aspirador pega do chão pode crescer mais e mais forte.
Tirar os sapatos antes de entrar em sua casa.
Limpe todas as torneiras e puxadores em sua casa com uma solução antibacteriana. Isso mantém os germes e um mínimo já ajuda a evitar a sua propagação para outras pessoas.
Feche a tampa do vaso sanitário antes de descarregar. Isso pode minimizar drasticamente a quantidade de bactérias que fica flutuando pelo ar.
Abrir as suas janelas por algumas horas por semana para deixar o ar fresco entrar e germes sair para fora.
Germes estão em toda parte, mas isso não é motivo para entrar em um frenesi de limpeza. Seguindo as maneiras simples de reduzir a exposição do germe, você pode fazer a sua casa um porto mais seguro desses germes traquinas.

E claro pessoal. Como não podia deixar de falar, faça uma boa higienização na boca evitando assim complicações maiores.

Curiosidades sobre o beijo

Beijo

  • Em termos científicos, o beijo é descrito como justaposição anatômica dos dois músculos orbiculares da boca no estado de contração.
  • A ciência que se dedica a estudar os beijos é a filematologia.
  • Filemafobia ou filematofobia é o termo usado para designar o medo de beijar.
  • A febre glandular se dissemina principalmente pela saliva. Por isso, ela é conhecida como doença do beijo prolongado.
  • O livro Kama Sutra ensina vinte formas diferentes de beijar.
  • Em Seattle, Washington (EUA), foi fundada em 1998 uma Academia do Beijo. A psicóloga Cherie Byrd teve a ideia de criar a instituição na época em que estava saindo com um homem que não era muito especialista na arte de beijar. Nela, Byrd ensina a usar a “eletricidade do corpo” para melhorar o beijo.
  • O parque Acquafan, em Riccione (Itália), promoveu em 2004 os Jogos do Dia Mundial do Beijo. Entre as diversas modalidades da competição estava o beijo submerso.

Maneira de comer açúcar aumenta risco de cárie

Açúcar e cáries andam sempre juntos. Porém, a quantidade total de açúcar que se consome tem menos impacto na formação de cáries do que a maneira como esse açúcar é consumido.

A cárie ocorre quando as bactérias que revestem os dentes se alimentam de açúcares simples. Ela cria um ácido que destrói o esmalte do dente. Quando se come algo doce, a bactéria leva por volta de 20 segundos para converter o açúcar em ácido, que então dura por 30 minutos.

Isso significa dizer que uma lata de refrigerante é bem menos prejudicial para os dentes quando consumida em apenas alguns minutos do que a mesma lata de refrigerante quando consumida por algumas horas com goles repetidos, disse Carole Palmer, professora de saúde pública e serviço comunitário na Universidade de Medicina Dental Trufts.

“Todas as vezes que açúcar é levado até a bactéria, o ácido será formado” disse Palmer.

“Os fatores que vão aumentar o risco de cárie não incluem a quantidade total de açúcar, mas o padrão de consumo. Você é do tipo que está constantemente dando goles? Você pega um refrigerante e o deixa em sua mesa toda a tarde? Faz uma xícara de café com açúcar e dá pequenos goles durante toda a manhã?”

Pelo mesmo motivo, muitos dentistas aconselham que os pais não deixem os filhos usarem copinhos infantis com muita frequência. O uso constante desse tipo de copo tem sido, em alguns estudos, associado a cáries em crianças pequenas.

 

Palmer enfatiza que não isso não acontece só ao consumir açúcar, mas também qualquer ácido, como refrigerante dietético. Um estudo chegou a revelar que balas azedas seriam significantemente mais destrutivas para o esmalte do dente que as balas doces comuns, devido ao seu nível de acidez.

Conclusão: pequenas quantidades de açúcar consumidas frequentemente aumentam a incidência de cáries mais do que grandes quantidades de açúcar consumidas com menos frequência.

Fonte: Diário de Marília

Compartilhar escovas dentais pode?

Esta é uma dúvida muito comum. Compartilhar escova dental não é correto. As cerdas das escovas dentais guardam um número grande de bactérias, fruto da higienização. A troca de bactérias entre uma boca e outra acaba sendo muito grande, por isso deve ser evitada. Mas e o beijo?

Claro, o beijo também faz uma troca muito grande de bactérias…………

Por isso cuidado com sua escova dental. VEJA POST DE CUIDADOS COM ESCOVA DENTAL

Divirta-se.

Abraços

Dr. Querido